OS PIORES MOMENTOS E MAIS DECEPCIONANTES COM A ENGENHARIA MONTADA NO MAIOR ENCONTRO RELIGIOSO JÁ REALIZADO NO MUNDO

Campina Grande por mais de vinte anos descobriu sua vocação religiosa no período carnavalesco. Religiões de todos os cantos do mundo já vieram aqui para apresentar suas crenças e costumes, desde monges do himalaia em voo charter, até bruxos escandinavos e satanistas.
O intuito original era criar um entendimento de tolerância amigável. Alguns mais idealistas imaginavam este Encontro como prova da chegada da era de aquarius da nova ordem mundial, onde as diferenças religiosas, através de ensinamentos de seus mestres, criaria uma consciência pluralista nos fieis de todas as religiões.


No entanto, depois de todos estes anos e do grande esforço empreendido pelo governo estadual e municipal, o que vemos é um fenômeno crescente de agressões, intolerância, perseguições, assédios morais e toda sorte de truculência religiosa, elevando como primeira ideia a categoria semelhante nas antigas arenas gregas, onde gladiadores se matavam, promovidas pelo império romano como festivais e acreditando que o povo queria/desejava a política do pão e circo. 

Este ano, segundo minha avaliação, os senhores e donos das religiões dominantes de minha cidade se tornaram profissionais especializados da religião, onde através dos milhões movimentados em megas estruturas desenvolveram, métodos cruéis e sofisticados, quase imperceptível dos melhores observadores.

Em dois episódios recentes, eu (particularmente) fui vitima de tramas antissemitas, montadas com a finalidade de colocar a opinião pública contra nosso importante, mas frágil, evento "Amigos da Torá" nas rádios Campina Grande FM e Correio FM. Este ponto nos leva a uma reflexão profunda e nos fazer desistir depois de nove anos de eventos, pois além da escalda islâmica em nosso país - que por si, já é um grande pesadelo e ignorado - e patrocinada pelos amigos inseparáveis dos terroristas, como aqueles que insistem em chamar de partidos políticos, por exemplo: o HAMAS.

Somos também vítimas de uma perseguição velada e sem tréguas desde o nosso primeiro evento, por parte de um grupo auto-denominado de: CONSCIÊNCIA CRISTÃ. Desde as invasões dos pastores que, aos berros, ficaram amaldiçoando nosso evento e judeus, pregando abertamente em rádios caracterizando os judeus como "assassinos". Passamos por ameaças de morte, agressões psicológicas e físicas, porém foram atentados frustados. Graças ao Eterno, nosso Senhor!

Este grupo, ainda fazem do Whatsapp - aplicativo social - um elaborador de pautas para entrevistas, onde utilizam repórteres (vendidos) com a finalidade de praticar a então chamada: IMPRENSA MARROM (sensacionalista) - ou conhecida no modelo americano como yellow journalism.

Neste artigo, denuncio o Pastor Joaquim de Andrade, Pastor Euder Faber e os jornalistas Arquimedes de Castro e Lenildo Ferreira. Tais comportamentos não podem ficar impune e peço para que a comunidade judaica compartilhe este comunicado, pois estes fatos já foram percebidos pelos profissionais éticos da boa imprensa e também discordam do comportamento da Imprensa Marrom.

Registro aqui o meu repúdio para os ditos evangélicos que só semeiam ódio e o antissemitismo, indo contra o fenômeno que está ocorrendo no país: cristãos cada vez mais tem demonstrado seu amor por Israel. Como líder do AMIGOS DA TORÁ, tornou-se impossível continuar com o encontro judaico com tamanho preconceito com a nossa religião, abusando do poderio financeiro para prejudicar nosso evento.

Repudio todo ato que se apresenta contra Israel e a proibição de pessoas que, ao tentarem demonstrar seu amor Israel, foram proibidas e ameaçadas - como me confidenciou o Cabo Farias do CPTRAN.

Repudio a manipulação do público que na sua maioria, trata-se de analfabetos, semi analfabetos e analfabetos funcionais, são utilizados como massa de manobra no perspectiva de manter números que impressionem a administração da Prefeitura da cidade, o que na verdade é uma falsa impressão, pois quase 80% das pessoas que comparecem ao evento são de outros municípios sob o aparato de transportes oferecidos pela organização do evento.

Repudio o baixo valor cultural e de importância das palestras que promovem assuntos que geram mais intolerância na cidade.

Repudio o projeto de poder, implementado pela liderança, que se utiliza deste evento como um meio de vida, sem se importar com a origem dos recursos públicos, onde fazem mal uso deste dinheiro.

Repudio o fato de que, depois de vinte anos de eventos, nossa cidade seja a não-capital mais violenta do Brasil e que ocupa a 9ª posição no ranking com 500 mil habitantes. 

Repudio o comportamento dos poderes públicos, pois as instituições possuem conhecimento sobre o assunto, mas são omissos para obter vantagens e financiar suas ambições pessoais, como acontece nas campanhas eleitorais dos candidatos para ocupar os cargos políticos no Estado e nos municípios. 

O Ministério Público deve se articular e tomar uma posição sobre esta situação que está se tornando um descalabro, de tanta verba pública utilizada para o enriquecimento ilícito e fortalecendo da propagação de religiões que não medem esforços para, em verdadeiras cruzadas, destruir outras religiões como a nossa Associação Judaica.

Até quando Campina Grande será refém desse quadro de intolerância?
Quem deseja fazer evento religiosos, faça com seus próprios recursos. Pois o Estado e Município tem muitas outras prioridades.

Peço para que todos os judeus do mundo nunca se esqueçam deste nome:O Evento da Consciência Cristã, pois trata-se do maior encontro antissemita evangélico do mundo. Me ajudem a divulgar este artigo! Desde já agradeço pela atenção de todos vocês. Muito obrigado!


Representante da Associação Judaica Amigos da Torah.

Transmissão Ao Vivo - IX Encontro Judaico Amigos da Torah

Acompanhe a transmissão Ao Vivo do 9º Encontro Amigos da Torah, através do nosso canal no Youtube: Chaverei ha Torah. Confira a programação do evento judaico:




PROGRAMAÇÃO


1) Encontro das Luzes: 14 de fevereiro - 20h

2) Abertura Oficial: 15 de fevereiro
                  - Exposição sobre as Festas Judaicas (19h)
                  - Cerimônia de abertura (20h)
                  - Apresentação coreográfica: "Revoltas" - Interpretação de Sayonara
                    Belarmino (20h20)
                  - Palestra: “Cristofobia” (O genocídio cristão no Oriente Médio) – Davi
                    Ben Avraham, representante da comunidade judaica de Campina
                   Grande. (20h30)


3) Continuação do evento: 16 de fevereiro
                  - Exposição sobre as Festas Judaicas (19h)
                  - Apresentação de músicas e danças judaicas (19h30)
                  - Palestra: As festas bíblicas e os seus significados proféticos –
                    Apresentação do Professor Flávio Pimentel. (20h) 


4)Encerramento: 17 de fevereiro
                   - Exposição sobre a Festas Judaicas (19h)
                   - Cerimônia de encerramento (19h30)
                   - Palestra: Defesa pessoal e segurança pública - Professor Edgar
                     Torres (Confederação Sul-americana de Krav Magá). (20h)
                   - Apresentação coreográfica: Clown – Interpretação por Cas Silva
                     (Ballet UEPB). (21h30)


5) Cine Kasher (filmes judaicos): 15 à 17 de fevereiro – 15h
                   - Domingo (15): Tolerância Zero
                   - Segunda (16): Estado Islâmico - Documentário Vice News
                   - Terça (17): ---  

AMIGOS DA TORAH FAZ SEU ÚLTIMO ENCONTRO PÚBLICO NO CALENDÁRIO RELIGIOSO EM CAMPINA GRANDE

Tudo que tem um começo e tem um fim, portanto, nós estaremos encerrando as atividades no calendário dos encontros religiosos da cidade de Campina Grande, durante o período carnavalesco, com o nosso 9º Encontro Judaico Amigos da Torah. O nosso evento sempre buscou contribuir com o conhecimento da história e da cultura judaísmo, religião dos nossos ancestrais, porém diante de tudo que passamos (calúnias, difamações, assédio moral, incompreensões, agressões físicas e até mesmo ameaças de morte), percebemos que a boa intensão de contribuir com o desenvolvimento cultural da cidade foi distorcida por muitas pessoas, seja por ignorância e/ou por dificuldade de entender uma religião que lhes foi apresentada a mais de 3000 mil anos. No entanto, ainda se surpreendem com o judaísmo e julgam essa cultura como desconhecida.

A crise cultural, da qual o povo brasileiro é vítima por vários motivos, sempre foi um grande impedimento para que a população adquirisse o conhecimento do que está em sua periferia, frutos de uma cultura bastante rudimentar e, porque não dizer, simplória. Por outro lado, os barões das religiões pré-existentes no caldeirão das entidades religiosas, estabelecidos durante o período carnavalesco, partiram com todas as armas disponíveis para neutralizar nossos esforços, onde trabalhamos com a finalidade de oferecer uma luz para a escuridão  do conhecimento popular e prejudicado por séculos com a alienação religiosa e cultural. Esse comportamento, dos seguidores e representantes das entidades religiosas de Campina Grande, deixou a nossa Associação em uma posição totalmente insuportável.

Apesar dessa perseguição, nós não curvaremos nossa cabeça e continuaremos com a nossa missão: o desejo de tornar esta cidade mais tolerante, de fato e não em tese, com as diferenças religiosas. Talvez possa ser uma pensamento ingênuo por causa da recente pesquisa sobre os índices de violência nas cidades do Brasil, onde Campina Grande é a única não capital mais violenta da país e ocupa a 9ª posição com 500 mil habitantes. Isto significa que os milhões gastos, durante todos os anos, não ajudaram no combate contra a intolerância e, muito menos, com a diminuição de violência. Já que foram noticiados assaltos, arrombamentos de carros e até homicídios durante os eventos.

Desde o início, o modelo do nosso Encontro Judaico foi "atropelado" pelos grandes eventos da cidade, que recebem apoios milionários, até chegar ao ponto de exercerem influências diretas ou indiretas e gerando indiferenças. Este comportamento é um ato de antissemitismo no público cativo aos dogmas sedimentados por séculos de catequização, resultando em tamanha alienação e prejudicando o senso crítico e pragmático das pessoas que, a cada ano, nos caracteriza como um obstáculo para ser removido das "cruzadas" regionais que tem como intuito a suplantação das demais religiões. Nós tentamos alertar, mas sem sucesso, sobre o radicalismo islâmico que está presente no nosso país e também, no Nordeste, onde daqui há alguns anos fará muitas vítimas.

Desta forma, ficou muito claro que nos tornamos uma espécie de "pavimentação" para as grandes instituições religiosas e acabaram se tornando os "donos da religião" nesta cidade. No entanto, continuaremos firmes no intuito de auxiliar na compreensão do mundo judaico que, outrora, foi o motor propulsor da formação do nosso Estado e capacitando todas aquelas pessoas que buscam o retorno para as raízes judaicas.

Diante dos últimos acontecimentos, nós refletimos e enxergamos novos horizontes. Continuaremos com as celebrações das festas bíblicas como, por exemplo, a festa dos tabernáculos que aproxima judeus e cristão que simpatizam com a nossa cultura e religião. Logo, criamos vínculos fortes para combater o víeis dos cruzados islâmicos que já se encontram em ação no Brasil.

Primeiramente nós agradecemos ao Eterno, pois sem Ele não teríamos conseguido suportar todos os obstáculos que nos marcaram durante esta jornada. Agradeço aos meus filhos pela dedicação em realizar e fazer parte de acontecimentos inesquecíveis.

À Associação Judaica Amigos da Torah, familiares e amigos, que sempre contribuíram nos aparatos técnicos e sociais no evento durante esses anos. Aos meus irmãos de fé que acreditaram em nosso projeto, contabilizando quase mil praticantes do judaísmo no estado da Paraíba, segundo o IBGE. Ficamos felizes por colaborar com este crescimento.

Nossos agradecimentos ao ex-prefeito Veneziano Vital do Rêgo que, em sua gestão, possibilitou o surgimento do nosso evento com o apoio de todos os setores da PMCG. Ao vereador Peron Japiassu, pelo seu apoio constante durante o seu mandato.

Agrademos à todas as pessoas que nos acompanharam, torceram, auxiliaram e participaram dos nossos eventos durante esses 9 anos. Obrigado aos conhecidos e anônimos, fiquem certos de que o Eterno recompensará todos vocês.

Nossa congregação continuará funcionando, em sede própria, na Rua Fernandes Vieira - 545 - Bairro José Pinheiro, Campina Grande/PB.

Certo pela compreensão de todos, concluo com a seguinte frase em hebraico:







AM ISRAEL CHAI! 
POVO DE ISRAEL VIVE!






Davi Ben Avraham
Presidente da Associação Judaica Amigos da Torah



Professor de Krav Magá chega de Israel e participa do Encontro Amigos da Torah

Está confirmada a presença no IX Encontro Amigos da Torá, do professor de Krav Maga Edgar Torres, da Confederação Sulamericana de Krav Maga. Recém chegado de Israel, ele esteve com o mestre Kobi, presidente da confederação e estava naquele país ministrando treinamento na região de Massada, símbolo da resistência judaica. Durante o encontro em Campina Grande Edgar Torres vai ministrar palestra na terça-feira e fará também uma demonstração de uma das mais completas artes de defesa pessoal do mundo. A abertura do evento acontece neste sábado às 20h, no Açude Novo, e continua até a terça-feira no antigo Museu de Artes Assis Chateaubriand (também no Açude novo, ao lado do terminal de integração).


Edgar Torres é o instrutor responsável pelos estados de Pernambuco e Paraíba, onde mantém turmas regulares em suas capitais desde 2006. Iniciou a prática de Krav Maga em 2000 com o professor Vargas, por quem foi indicado a participar da seleção para o Curso de Instrutores, onde passou por teste físico, técnico e psicotécnico, integrando a 5ª Turma de Instrutores (2005), teve uma carga horária de 180 horas/aula com Mestre Kobi, onde foram abordados a Didática do Krav Magá, Didática de Artes Marciais, Treinamentos Especiais, Aprimoramento Corporal, Segurança nos Treinos entre outros. 

Complementando sua formação com cursos de Anatomia, Fisiologia, Nutrição, Marketing, Filosofia das Artes Marciais e Primeiros Socorros, ministrados por especialistas em cada área. Foi instrutor de defesa pessoal no curso de formação para delegados, agentes de investigação e escrivães de polícia na Academia de Ensino de Polícia da Paraíba AEP-PB e também da ESPEP Escola de Serviço Público da Paraíba, em 2011. 

Hoje ministra aulas de Krav Maga na Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social e no Colégio da Polícia Militar de Pernambuco. Com o intuito de divulgar o Krav Maga, foi palestrante em diversos órgãos da Administração Pública e sociedade civil, tais como: no Estado da Paraíba Polícia Federal, Ministério Público Federal, Ministério da Fazenda, Hospital de Guarnição do Exército, Zarinha Centro de Cultura, Clube dos Oficiais da Polícia e Bombeiro Militar da Paraíba, Unimed João Pessoa e na Estação Cabo Branco Ciência, Cultura e Artes da Prefeitura de João Pessoa; em Pernambuco no TRF 5° Região, no Batalhão de Rádio Patrulha de Recife, na Livraria Cultura, Condomínio SUDENE, Escola de Educação Física da Polícia Militar de Pernambuco, Grupamento de Resgate e Salvamento do Corpo de Bombeiro Militar dos municípios de Olinda e São Lourenço da Mata. 

Participou dos seguintes eventos: - ministrados pelo Mestre Kobi: Seminário de Proteção de Autoridades; Seminário de Defesas Contra Ameaças com Arma de Fogo Curta; Seminário de Desarmamento Contra Arma de Fogo Curta e Longa; Seminário de Bastão Retrátil; Seminário de Técnicas com Faca; Seminário de Técnicas para o Ramo de Segurança; Seminário de Defesas Contra Ameaças e Ataques com Faca; Seminário de Técnicas de Chão; Seminário de Circuito; Seminários de Instrutores; Maior aula de defesa pessoal do mundo Guinness World Records; Treino Geral na Praia do Leme; III GADNÁ. - Seminário Internacional com Grão Mestre Haim Guidon Maio 2010; - Seminário Internacional com Grão Mestre Haim Zut Maio 2011; - Treino Especial no CIAMPA e CIAA Marinha do Brasil; - Treino Geral na Floresta da Tijuca e no Bosque da Freguesia; - Visita técnica ao BOPE-RJ e a fábrica da IMBEL FI.


KRAV MAGÁ

O Krav Magá se concentra em situações do mundo real e enfatiza a neutralização de ameaças por meio de manobras defensivas e ofensivas simultâneas. O sistema se baseia em técnicas de uma variedade de esportes e artes marciais, como boxe, wrestling e judô.

Sua origem está nas técnicas de luta de rua que seu criador, Imi Lichtenfeld, utilizou para defender o bairro judeu de Bratislava, na Tchecoslováquia, de criminosos fascistas na década de 1930. Depois de sua emigração para Israel, no final da década de 1940, ele introduziu a técnica no Exército de Israel; em 1964, começou a treinar civis.

Com o apoio de Lichtenfeld, Lichtenstein criou uma Federação Sul-Americana de Krav Magà. Hoje, existem no continente mais de 150 centros de formação com cerca de 10 mil alunos, a maioria deles no Brasil, Peru e Argentina.


ASCOM
Amigos da Torah

IX Encontro Judaico Amigos da Torah


“Celebração” é o tema do 9º Encontro Judaico Amigos da Torah, que acontecerá de 14 a 17 de fevereiro de 2015 no Antigo Museu de Arte Assis Chateaubriand, onde hoje funciona a Secretaria de Cultura (SECULT) no Lago do Açude Novo. No evento, estarão presentes pesquisadores do âmbito religioso que apresentarão palestras sobre a cultura judaica.

Este ano, o evento será iniciado no dia 14 de fevereiro com o “Encontro das Luzes”, onde bandas judaicas, evangélicas e católicas se apresentam em memória aos 100 mil cristãos mortos anualmente causado pela intolerância religiosa do Estado Islâmico. Também prestaremos uma homenagem ao último atentado ocorrido na França, matando 12 pessoas no jornal satírico “Charlie Hebdo” e aos 4 judeus mortos no mercadinho judaico no mesmo país.

A cerimônia de abertura oficial do evento será no domingo, dia 15 de fevereiro, marcando o início da exposição sobre as festas bíblicas e em seguida, músicas e danças que estão presentes nas comemorações culturais do calendário judaico.

Os palestrantes deste ano são David Ben Avraham, líder religioso da comunidade judaica da cidade, que irá ministrar a primeira palestra deste ano sobre “Cristofobia” (Genocídio cristão no Oriente Médio) e o professor Flávio Pimentel apresentará a palestra sobre: As festas bíblicas e o seus significados proféticos. No evento, será ministrado uma palestra especial sobre “Defesa pessoal e segurança pública” com Edgar Torres, professor de Krav Magá do estado da Paraíba.

Além do encontro dirigido para os judeus e simpatizantes pela religião, a programação também oferece o Cine Kasher, onde serão exibidos filmes que contem a história sobre as tradições do judaísmo e um documentário sobre a intolerância religiosa praticada pelo Estado Islâmico.

O Encontro Amigos da Torah é transmitido pela Internet todos os anos e contamos com uma audiência em 27 países do mundo. Tal visibilidade proporcionou entrevistas com antropólogos da Universidade da França, a participação de um documentário produzido pela cineasta israelense Iorit, onde será exibido em Israel e no Brasil, e a visita da pesquisadora e sobrevivente do holocausto Henrietta “Rita” Braun.

PROGRAMAÇÃO



ASCOM 
Associação Amigos da Torá

Estado Islâmico: o terror do oriente

Nos últimos anos, com o vazio criado pela guerra civil da síria, os extremistas aproveitaram este momento para se infiltrar entre os rebeldes sírios, roubando armas enviadas pelos americanos para tentar derrubar o regime do ditador Bashar Al-Assad. O grupo tomou mais de 30% da Síria, incluindo os campos de petróleo para ajudar a financiar o terrorismo. Em junho de 2014, os radicais avançaram pelo Iraque e conquistaram a segunda maior cidade iraquiana, Mosul, e estão a 100 quilômetros de Bagdá.

Para conter o avanço dos extremistas, a Força Aérea Americana atacou o Iraque pela primeira vez em quase 3 anos. Segundo o presidente dos EUA, Barack Obama, a ação aconteceu para proteger os cidadãos americanos que habitam essa região e milhares de iraquianos cercados pelo Estado Islâmico.


A revista canadense Vice produziu um documentário mostrando, em detalhes, as ambições e a crueldade dos extremistas na Síria.Guiado pelo assessor de imprensa do Estado Islâmico, Abu Mosa, o documentarista transitou por trechos com maior concentração dos radicais, desde as mesquitas até os bairros estratégicos.
  
Dias depois, o comandante Abu-Bakr al-Baghdadi, também conhecido como "príncipe dos fiéis", assumiu o mesmo nome do primeiro sucessor do profeta Maomé, e fez uma de suas poucas aparições públicas em uma mesquita. Além disso, se autoproclamou o califa dos muçulmanos.

No documentário, as ideologias do Estado Islâmico são ensinadas para as crianças, como é o caso de Abdullah que ensina ódio ao filho na frente da câmera. "Por que matamos os infiéis?", o Abdullah pergunta. "Porque eles matam muçulmanos", o menino hesita, mas responde.

Mas é justamente no suposto Centro Islâmico que as crianças se esquecem de Deus, e só falam em terrorismo. "Prometemos a vocês carros-bomba e explosivos", diz um menino. "Vamos destruir todos aqueles que forem contra o Estado Islâmico. Vamos lutar por Abu-Bakr al-Baghdadi".

Fiscais do Estado Islâmico proíbem propagandas com fotografias nas lojas. Proíbem a venda de bebidas alcoólicas. E quem é preso por descumprir a lei do califado sabe que o mínimo que pode acontecer é levar chibatadas. Mas para quem comete crimes graves, como um homem apanhado com drogas, a pena é de morte.

Os extremistas já fizeram ataques dentro do país e, há dois meses no Iraque, sequestraram 49 diplomatas turcos, que nunca mais foram vistos. A violência praticada em nome da religião não é mais novidade na Turquia. Quando Istambul ainda se chamava Constantinopla, no século XV, a principal igreja da cidade foi cenário de uma batalha sangrenta entre muçulmanos e cristãos, e acabou transformada em mesquita. Na Hagia Sophia, ou Santa Sofia, as marcas da violência aparecem até hoje nas cruzes de ferro e de mármore arrancadas para que ninguém se lembrasse que o templo, um dia, tinha sido uma igreja.

Na religião defendida a bala pelos extremistas do Estado Islâmico, a mensagem do Alcorão, o livro que, segundo a tradição islâmica, foi revelado por Deus a Maomé, fica restrita a algumas linhas que, segundo estudiosos, foram mal interpretadas.

"Queiram ou não, vamos estabelecer a lei islâmica nesta terra", diz o combatente Abu Laith.

Quer dizer então que o Estado Islâmico representa os muçulmanos do mundo? Representa, por exemplo, os palestinos que rezam pacificamente em uma mesquita em Jerusalém? Representam os trabalhadores turcos que lavam seus pés antes de entrar na mesquita azul em Istambul?


O que é o Estado Islâmico?

O Estado Islâmico é um grupo jihadista do Oriente Médio, considerado terrorista pela Organização das Nações Unidas (ONU). Originalmente, o grupo começou sua atuação através da união de diversos grupos terroristas, entre eles: Al-Qaeda no Iraque em 2003, porém foram acontecendo diversas mudanças de integrantes e do Califa (representante). Logo, em junho de 2014, Abu Bakr al-Baghdadi foi nomeado califa e o grupo passou a ser chamado de Estado Islâmico.

A política adotada pelo ISIS (Islamic State in Iraq and Syria) é baseada pela ideologia anti-ocidental extrema do Islã, promovendo a violência religiosa e considerando como infiéis as pessoas que não concordam com a sua crença. O grupo terrorista é responsável pelo genocídio de milhares de cristãos na guerra da Síria e nos demais territórios já conquistados. 


O Alcorão

Sabemos que o Alcorão é o livro sagrado do Islã  e os muculmanos acreditam que este livro é a palavra literal de D'us, chamado de Alá, revelada pelo profeta Muhammed (Maomé) ao longo de 23 anos. Porém, ao contrário do conteúdo midiatizado pelos meios de comunicação, este livro prega a paz no mundo muçulmano e castigam aqueles que são considerados infiéis, ou seja, possuem uma cultura religiosa diferente. Veja a seguir quatro frases do Alcorão, onde a intolerância se manifesta contra essas pessoas que divergem do Islã:


“E quando vos enfrentardes com os incrédulos, (em batalha), golpeai-lhes os pescoços, até que os tenhais dominado, e tomai (os sobreviventes).”
Alcorão 47:4

"Matai-os onde quer se os encontreis e expulsai-os de onde vos expulsaram, porque a perseguição é mais grave do que o homicídio. E combatei-os até terminar a perseguição e prevalecer a religião de Deus. Porém, se desistirem, não haverá mais hostilidades, senão contra os iníquos."
 Alcorão 2:191,193

"Infundiremos terror nos corações dos incrédulos, por terem atribuído parceiros a Deus, sem que Ele lhes tivesse conferido autoridade alguma para isso."
 Alcorão 3:151

"Está-vos prescrita a luta (pela causa de Deus), embora o repudieis. É possível que repudieis algo que seja um bem para vós e, quiçá, gosteis de algo que vos seja prejudicial."
Alcorão 2:216


Diante desse trechos, percebe-se o quanto a intolerância está presente nos escritos do profeta Maomé contra as noções que divergem das suas ideologias.


Contribuição para o 9º Encontro Judaico Amigos da Torah

Por meio deste espaço, a comunidade judaica da cidade de Campina Grande (Paraíba, Brasil) pede a sua ajuda para contribuir no 9º Encontro Judaico Amigos da Torah. Este evento é promovido durante no período do carnaval na cidade e tem como finalidade promover a cultura judaica através de palestras, músicas, danças, exposições.

O Encontro Judaico deste ano traz como tema a "Celebração", onde será discutido as festas bíblicas e os seus significados proféticos. A ideia é desmistificar velhos conceitos que as pessoas possuem sobre o judaísmo e mostrar que algumas tradições do Nordeste são semelhantes aos costumes judaicos.

É válido ressaltar que o evento recebe uma ajuda de custo da prefeitura da cidade, mas o valor não atende totalmente nossas necessidades. Durante esses 9 anos do Encontro, buscamos priorizar pela qualidade do Amigos da Torah para que o evento ofereça um conhecimento amplo sobre a nossa cultura aos nossos convidados.

Estamos precisando adiantar a preparação do espaço físico e confeccionar o material para publicidade do Encontro Judaico, porém o caixa que possuímos não é o suficiente para atender toda a demanda do evento com antecedência e o recurso da prefeitura é liberado nas vésperas do evento. Por isso precisamos de doações, um valor simbólico para atender a organização do Amigos da Torah. 

Contamos com a sua contribuição. Desde já agradecemos!

Telefone:
(83) 8750-7201
(83) 8844-8464
(83) 9605-8757

Banco Itaú
Agencia 7674
Conta 10852-2

Caixa Econômica
Agência: 0041
Conta: 330185-6
Operação: 013


Politicamente covardes

Com o crescente crescimento do islamismo, hoje podemos dizer com certeza, 800 milhões de muçulmanos apoiam os radicais, ou seja, são radicais! Essa história de islâmofobia é uma balela, é mais um dos chavões dos politicamente corretos.

Os muçulmanos começam com minoria falando em paz, mas o coração islã é inimigo da civilização ocidental, a qual eles consideram odiosa e que, para eles, representa o Satã. Com este tipo de gente não tem papo, não tem acordo, eles esperam destruir até o ultimo ocidental que não se converter pelo medo a sua religião. Criada com a pretensão de substituir Israel e também a igreja cristã,os quais eles denominam como infiéis.

Hoje a Igreja cristã tem pago seus pecados, se é que deveria falar assim, mas faço isso para também criticar o radicalismos cristão que no passado matou milhões de judeus e agora provam do próprio veneno.

Agora mesmo os cristãos no oriente médio estão sofrendo um holocausto, e a ONU finge não ver. A Europa está refém do Islã e finge não está. Eles estão se borrando de medo por tudo que tem acontecido lá, a rede de fast food SubWAY, tirou a carne de porco do seu cardápio, “para não ferir os muçulmanos” que na Inglaterra não passam de 4,5%, de tanto medo! 

O nome mais comum nas maternidades é Mohamed (Maomé), a cada dia mais muçulmanos europeus nascem, e logo, logo chegarão maioria. O mundo agora tem experimentado a realidade que Israel já conhece faz tempo. Com radicais não tem negociações! 

A mídia brasileira é covarde em sua grande maioria, pratica a autocensura, não condena nem os absurdos do PT que também apoia os radicais, a mídia brasileira com raras exceções porque tem medo, porque foi comprada. Somos o país dos covardes! Isto mesmo.

Nossos filhos são mortos nas ruas todos os dias, e ainda não derrubamos a lei do desarmamento civil impetrada pelo PT que só favorece eles e seus comparsas, como também não derrubamos a bala os assassinos que são favorecidos pela lei brasileira, feita para apoiar e privilegiar bandidos principalmente os de colarinho branco. 

O MST faz uso de armas em seus saques a propriedades civis sem ao menos sofrerem qualquer tipo de represálias, estão acima da lei, mas nós brasileiros morremos como moscas e baratas, viramos números estatísticos de assassinatos, vivemos em um dos países piores para se viver no mundo em termos de segurança pública, institucional e política.

Já passou e muito da hora de uma resposta, daqueles que se indignam, precisamo dar uma resposta vigorosa a estes facínoras. O exercito brasileiro dá vergonha! Não assumem seu papel constitucional. E ainda registro que os terroristas são alimentados por armas Russas e Chinesas, são aliados dos comunistas. Mas... ninguém diz nada, por que? Porque somos politicamente corretos, eu diria somos “Politicamente covardes”. Isto é o que somos! 


Davi Ben Avraham

"Rebele-se, seja uma criatura original"

Hoje eu tive um sonho e vi que tudo pode ser diferente. Percebi que a cada dia que passa, somos instigados a trabalhar mais e sempre estar ultrapassando os nossos limites como pessoa. Por melhor que sejam os nossos resultados, eles dizem: "você pode mais", "se esforce mais", "faça mais" e logo, isto tem nos levado a exaustão, a alienação.

As pessoas já não possuem mais tempo de serem elas mesmas, já não tem mais tempo de serem felizes e boas umas com as outras. Eles nos regulamentaram em tudo e estamos sendo tratados como máquinas humanas. Não temos mais tempo para responder o nosso chamado Criacional, nossa vocação como pessoa. Já não conseguimos olhar os outros e enxergar nós mesmos. O segundo mandamento foi extinto em nome desta máquina poderosa que foi criada e denominada como: Modernidade. 

Rosh Hashanah é uma festa onde, nós judeus, comemoramos o nosso chamado Criacional: "Seja homem e tome o controle da sua vida, respeitando a ética e amando o teu semelhantes como a ti mesmo."

Proponho um revolução, mas não daquelas conhecidas pelo derramamento de sangue e sim, uma revolução que nos levará ao nosso chamado. O trabalho será a resposta ao seu sentido original, alimentar-se pelo suor do seu rosto e o tempo será sentido como no Éden, onde o homem aguardava o grande momento de conectar-se com o transcendental.

O "próximo" será o "próximo", não uma coisa em que apenas enxergamos e não os reconhecemos como iguais a nós. As liberdades individuais serão respeitadas e não impostas pelo sistema, pela mídia que deseja em todo momento nos ensinar como ser politicamente corretos. 

Devemos ser nós mesmos sem que, para isto, tenhamos que comprar determinada marca de roupa, carro, perfume, celular, entre tantas outras coisas. O "ter" nos foi imposto como algo tão importante, mas não devemos esquecer aquilo que constitui o nosso "ser". 

Comemoremos o Rosh Hashanah como uma revolução, um protesto. Diga: "Serei mais eu, do que terei mais."

Rebele-se, seja uma criatura original.

Escrito por Davi Ben Avraham
Representante da Associação Amigos da Torah
Campina Grande, PB
   

Dermer: Mais de 500 foguetes disparados contra Israel acabaram atingindo o território de Gaza

"Mais de 500 dos foguetes disparados de Gaza contra Israel, nas últimas três semanas, acabaram atingindo o território de Gaza" - disse o embaixador de Israel disse para EUA Judaica e líderes políticos.
Durante uma conferência na segunda-feira (28), na Assembleia Liderança Nacional de Israel em Washington D.C., o embaixador Ron Dermer afirmou que mais de um quinto dos 2.500 foguetes disparados por grupos palestinos como o Hamas e a Jihad Islâmica, em Gaza, desde o início da guerra no mesmo território no dia 8 de julho, 500 dos foguetes disparados de Gaza contra Israel caíram no território de Gaza, atingindo áreas civis. O que levou os judeus a observarem esses acontecimentos como um milagre e os terroristas do Hamas chegaram a comentar que o D'us judeu estava interferindo na direção dos mísseis. 

Ele se referiu especificamente a dois foguetes Islâmico-Jihad lançados e destinados para Israel, mas pousou no Hospital Shifa na Cidade de Gaza e no parque de um campo para refugiados. 

"Isso pode não ser o que eles relatam na mídia hoje, mas essa é a verdade", disse Dermer.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons